Nenhum produto no carrinho.

Subtotal: R$0,00

BEAUTIFUL JADE, WHERE DID YOU GROW UP AND WHAT WERE YOU DREAMING OF ?

I was born and raised in Rio. I didn’t dream of becoming anything specific apart from becoming a professional ice-skater.

JADE, AONDE VOCÊ CRESCEU E O QUE SONHAVA SER QUANDO ERA CRIANÇA?

Nasci e cresci no Rio. Fora ter sonhado ser uma patinadora no gelo profissional, não sonhei em seguir uma carreira específica.

HAHA. HERE IN RIO?

I don’t even know why! I must have ice-skated maybe twice in my life when travelling but that was still my dream job (laughs). My other dream was to become a veterinary.

RISOS. AQUI NO RIO?

Nem sei porquê! Devo ter patinado, no máximo, duas vezes na vida em alguma viagem que fiz, mas essa era a profissão dos meus sonhos (risos). Também sonhava em ser veterinária.

A CLASSIC THIS ONE! WHAT KIND OF EDUCATION DID YOU GET?

My parents separated when I was four years old. They are both Brazilian but they are very different, I cannot imagine them together at all. My father is very strict and square. My mother is expansive like an Italian mama; she is the kind of person that you either love or hate. She says everything she has on her mind, without any filter. In my house everyone was always dancing around and this is something I carry with me until today; there were a lot of passion, emotion, crying, hugging, kissing… I also grew up developing a very introspective side that comes from my father. When I argue with my mother she always tells me I am just like my father and when I argue with my father he says I am just like my mother… Of course, I am both of them!

SONHAR EM SER VETERINÁRIA É SEMPRE UM CLÁSSICO! QUE TIPO DE EDUCAÇÃO VOCÊ RECEBEU?

Os meus pais se separaram quando eu tinha quatro anos. Embora ambos sejam brasileiros, eles são muito diferentes, não consigo imaginá-los como um casal. O meu pai é muito rígido e quadrado. A minha mãe se parece com uma mamma italiana, é super aberta e o tipo de pessoa que você ama ou odeia. Fala tudo o que pensa, sem nenhum filtro. Lá em casa todo mundo ficava dançando para lá e para cá e isso é algo que carrego comigo até hoje. Tinha muita paixão, emoção, choro, abraços, beijos…mas acabei desenvolvendo um lado muito introspectivo herdado do meu pai. Quando discuto com a minha mãe, ela sempre diz que sou exatamente igual ao meu pai e quando discuto com o meu pai, ele diz que sou exatamente igual à minha mãe…é claro que sou um pouco dos dois!

WHERE DID YOU STUDY?

I went to very open-minded schools and when I was little my parents actually put me in the craziest Montessori one. The rules were completely different than from my other friends’ schools. Soon I was moved to Escola Parque, which says a lot about who I am. I stayed there from 7 to 18 years old.

EM QUAIS ESCOLAS VOCÊ ESTUDOU?

Estudei em escolas com cabeças bem abertas e, quando criança, meus pais me colocaram na escola montessoriana mais louca da cidade. As regras dessa escola eram muito diferentes das regras das escolas aonde os meus amigos estudavam...aí fui transferida para a Escola Parque que, por sí só, já te dá uma ideia de quem me tornei. Estudei lá dos 7 aos 18 anos.

SO YOUR MOM WON THIS FIGHT I GUESS?

Hahaha yes.

ENTÃO IMAGINO QUE QUEM GANHOU FOI A TUA MÃE, CERTO?

Risos. Sim.

WHAT DID YOU STUDY THERE?

In high school I started to realize I wasn’t made for economy nor math nor any other field of this type. I felt very lost and didn’t know what I wanted to do until my final high school year where I started taking drawing lessons and suddenly became sure about something in my life. I started looking at universities to explore that area and found one where I could study design. I believed I could earn some money with a design job, which would combine the only thing I wanted to do with actually earning a life. Only when I started the course, it hit me that I had a total misconception of what design really was. It didn’t feel like Art at all, which I realized was what I really wanted to do, and I also rapidly understood that I wasn’t going to be rich anyway. (Laughs). At some point I allowed myself to let go of this design career, taking with me the things I learned while studying for it and just following my own path. I am grateful for everything I was taught there since it elevated me so much

O QUE ESTUDOU LÁ?

Quando estava no colegial, me dei conta de que não era feita para ser economista ou matemática ou para trabalhar em qualquer outra área nessa linha. Me senti muito perdida e não soube o que queria ser até o último ano do colegial, quando comecei as aulas de desenho e, de uma hora para outra, finalmente tive certeza de algo na minha vida. Comecei a procurar cursos universitários e encontrei um no qual poderia estudar design. Acreditava que conseguiria ganhar um dinheirinho trabalhando com design, trabalho esse que combinaria a única coisa que eu gostava de fazer com uma maneira de me sustentar. Quando comecei o curso, me dei conta de que tinha uma visão distorcida sobre o que o design realmente é. Não tinha nada a ver com arte, que era o que eu realmente buscava. E foi aí que entendi rapidamente que, de qualquer maneira, nunca ficaria rica (risos). A certa altura, me permiti desistir desta carreira de designer, mas levei comigo o que havia aprendido no curso e segui o meu próprio caminho. Sou grata por tudo o que aprendi no curso porque ele me elevou.

HOW LONG DID YOU KEEP STUDYING DESIGN?

From 2012 until 2016. I had to stop the course since I fell pregnant and I had to deliver the baby! (Laughs). This was a crazy experience for me, being pregnant at school. But you know this started something new for me that I didn’t know I had in me: I began not caring so much about what people would think.

VOCÊ CURSOU QUANTOS ANOS DO CURSO DE DESIGN?

De 2012 a 2016. Tive que parar o curso porque engravidei e tive que dar à luz! (risos). Ir para a faculdade grávida foi uma experiência maluca para mim. Mas, por outro lado, isso mostrou que tinha dentro de mim algo que desconhecia: comecei a não me importar muito com o que as pessoas pensam.

HOW DID YOU START DRAWING? WAS IT ALWAYS SOMETHING YOU WERE DOING?

I started drawing as a very young child and I remember my mom always telling me I should become an architect. There is something really strange with me when I am drawing: I tend to work the best when I am in a cloudy mood. So when I was 16, I kind of became very productive! (Laughs). At this age I was confused and I felt the need to plunge deep in my heart to find the inspiration to express myself. I was writing a lot, taking pictures, painting… Everything was a way to escape from this state of confusion for me.

COMO FOI QUE COMEÇOU A DESENHAR? VOCÊ SEMPRE DESENHOU?

Comecei a desenhar quando ainda era pequena e me lembro que a minha mãe vivia dizendo que eu deveria ser arquiteta. Quando estou desenhando, sempre acontece uma coisa estranha comigo: costumo trabalhar melhor quando estou com um humor mais sombrio. Aos 16 anos eu era muito produtiva! (risos). Nessa idade, eu estava confusa e sentia a necessidade de mergulhar no meu coração para encontrar a inspiração necessária para conseguir me expressar. Escrevia muito, tirava fotos, pintava…tudo como uma forma de fugir desse estado de confusão.

YOUR WORK FEELS LIKE A JOURNAL, EVEN IF YOU DON’T USE YOUR OWN NAME FOR THE DIFFERENT CHARACTERS… BUT I FEEL THE MAIN CHARACTER KIND OF FOLLOWED THE DIFFERENT HAIRCUTS YOU HAD (LAUGHS).

Absolutely. When I started exploring more of this field at 16, my process was the same as when you have a journal. And then I started refining it. One day, a friend of mine saw one of the initial versions of Alga, the main character that I draw today, and told me: “this is something”. Before that, I was just doing a lot of stuff and trying to understand where it could bring me. This friend told me I was an artist and that I should do something about it. So I put all my best work together, I photographed it, put it out on Instagram and suddenly things started coming back to me. This was a huge moment for me: everything is so autobiographic that when I started seeing people commenting about it and actually identifying with it, I was stunned. It was all about what I was feeling inside; I couldn’t understand how these people could recognize themselves in my drawings too. That is when I decided to really pursue it as a serious thing.

O SEU TRABALHO SE PARECE MUITO COM UM DIÁRIO, MESMO QUE VOCÊ NÃO USE O TEU NOME PARA OS DIFERENTES PERSONAGENS… MAS SINTO QUE A PERSONAGEM PRINCIPAL MEIO QUE SEGUIU OS VÁRIOS CORTES DE CABELO QUE VOCÊ JÁ USOU (RISOS).

Com certeza. Quando, aos 16 anos, comecei a explorar mais esse campo, o processo que usei foi o mesmo usado para escrever um diário. E foi então que comecei a refiná-lo. Um dia, uma amiga minha viu uma das primeiras versões da Alga, a personagem principal que eu ainda desenho até hoje e me disse: “tem alguma coisa aqui”. Até então eu vinha fazendo mil coisas e tentando entender para aonde elas me levariam. Essa amiga me disse que eu era uma artista e que deveria fazer alguma coisa com isso. Juntei todo o meu melhor trabalho, fotografei, coloquei no Instagram e, de repente, comecei a receber retorno. Foi um momento muito importante para mim: tudo é tão auto-biográfico que, quando comecei a ver certas pessoas comentando sobre a personagem e até mesmo se identificando com ela, fiquei muito perplexa. Todos os desenhos falavam sobre o que estava se passando dentro de mim; não conseguia entender porque as pessoas se reconheciam nos meus desenhos. Foi quando então decidi levar isso adiante com maior seriedade.

HOW DID YOU CHOOSE TO SHARE YOUR ART ON INSTAGRAM FOR THE FIRST TIME? IT MUST BE FRIGHTENING SINCE IT WAS SO AUTOBIOGRAPHIC.

I think it was the easiest way to do it. The first comment got me all shook though. I was not happy, I was astonished. Like I felt a bit intruded upon. For a long time I didn’t feel okay to sell any of the drawings; it was okay to post them on social media but I couldn’t give them away. It felt so personal. This is me, it is a part of me. These illustrations are where I put my deepest feelings. I couldn’t give that away to any one.

POR QUE VOCÊ DECIDIU COMPARTILHAR A TUA ARTE NO INSTAGRAM PELA PRIMEIRA VEZ? CONSIDERANDO QUE A TUA ARTE É TÃO AUTOBIOGRÁFICA, DEVE TER SIDO UMA SENSAÇÃO ASSUSTADORA.

Achei que seria a maneira mais simples de mostrar a minha arte. O primeiro comentário me deixou abalada. Não fiquei feliz, fiquei perplexa, como se alguém tivesse me invadido. Por muito tempo não me senti à vontade para vender nenhum dos meus desenhos; tudo bem postá-los nas mídias sociais, mas não conseguia passá-los para outra pessoa. Eram tão pessoais. Eles são eu, fazem parte de mim. Estas ilustrações são aonde coloco os meus sentimentos mais profundos. Não poderia passar esses sentimentos para ninguém.

DO YOU REMEMBER WHO YOU GAVE YOUR 1ST DRAWING TO?

I think it was to my analyst (laughs). At some point the drawings were so autobiographic that I started bringing them along to my sessions. I was speaking through them. It was so unusual to her that I ended up giving her one.

VOCÊ SE LEMBRA PARA QUEM DEU UM DESENHO TEU PELA PRIMEIRA VEZ?

Acho que foi para a minha analista (risos). Em um determinado momento, os desenhos eram tão autobiográficos que comecei a levá-los para as sessão de terapia. Eu me comunicava através dos desenhos. Para a terapeuta foi uma experiência tão incomum que acabei dando um para ela.

WHAT DOES ALGA MEAN?

Alga means “sea plant” in Portuguese. It was not supposed to become the name of my character. People actually started to call her that way but at the beginning it was “Algo de alga” (editor’s note: “something from the seaplant”), meaning something fluid and mysterious. The character was supposed to represent women with something of “alga”.

O QUE SIGNIFICA ALGA?

Alga significa “planta do mar” em português[Acredito que essa explicação é desnecessária, sugiro excluída]. Não era para ser este o nome da minha personagem. Na verdade, as pessoas começaram a chamá-la assim, mas, no começo, era só “Algo de alga”, algo fluído e misterioso. A ideia era que a personagem representasse algo de “alga”.

WHO DO YOU DRAW FOR?

My creative process is very intense and deep, so I guess I draw for me first, since it works like a personal therapy. I noticed that when I go deep inside, the illustration speaks to more people than when I do more superficial introspections. I also have to deal with the mistakes I do while drawing and incorporating them to the end result. This happens also when I make ceramics. It is a big part of the process to deal with the imperfections, the gestures that went “wrong”. At the beginning I would always try to do perfect lines even if I never got close to that, but then I realized I don’t have to get there. Imperfection is okay.

PARA QUEM VOCÊ DESENHA?

O meu processo criativo é muito intenso e profundo, então, acho que primeiro desenho para mim mesma porque funciona como uma terapia. Reparei que quando mergulho lá no fundo de mim mesma, a ilustração toca um número maior de pessoas do que quando parto de uma introspecção mais superficial. Também tenho que lidar com os erros que cometo enquanto estou desenhando e incorporá-los ao resultado final. Isso acontece também quando faço cerâmica. É uma parte importante do processo porque é necessário aprender a lidar com as imperfeições, com os gestos que “não deram certo”. Quando comecei, tentava sempre desenhar perfeitamente as linhas, mesmo que nunca tenha conseguido nem chegar perto da perfeição. Aí percebi que não preciso alcançar a perfeição. Tudo bem se for imperfeito.

I KNOW THE FEELING! I DO A BIT OF CERAMIC TOO AND I LEARNED TO LOVE THE IMPERFECTIONS OF A PIECE, I FIND IT TOUCHING AND IT TELLS A STORY, OR AT LEAST IT GETS PEOPLE TO ASK YOU ABOUT IT.

It is so important to have stories to tell.

CONHEÇO BEM ESSA SENSAÇÃO! EU TAMBÉM FAÇO UM POUCO DE CERÂMICA E APRENDI A AMAR AS IMPERFEIÇÕES DE UMA PEÇA FEITA POR MIM PORQUE ELA MEXE COMIGO, CONTA UMA ESTÓRIA OU, NO MÍNIMO, FAZ COM QUE AS PESSOAS FAÇAM PERGUNTAS SOBRE A PEÇA.

É tão importante ter estórias para contar!

YOUR ILLUSTRATIONS ARE SO POETIC. THEY FEEL SO SIMPLE AND YET SO WISE, JUST LIKE ONE OF THESE BOOKS THAT GIVE YOU A MANTRA A DAY YOU KNOW? ARE YOU USUALLY THE ONE PERSON YOUR FRIENDS TEND TO GO TO SEE FOR ADVICES ?

My friends come a lot to me for my advice but I don’t think I am the best one to give it to them (laughs). I feel I am too messy when I speak. This is actually something I am working on even when I draw. I tend to simplify my drawings as I am doing them. I start off with a very confused mind and then I try to focus on the single most important feeling I have inside and find the best way to express it.

AS TUAS ILUSTRAÇÕES SÃO MUITO POÉTICAS. SÃO SIMPLES E, AO MESMO TEMPO, SÁBIAS, COMO AQUELES LIVROS QUE TE ENSINAM UM MANTRA POR DIA, SABE? VOCÊ É AQUELA AMIGA A QUEM OS AMIGOS SEMPRE RECORREM NA HORA DE PEDIR UM CONSELHO?

Os meus amigos me procuram bastante quando precisam de conselho, mas não acho que sou a pessoa mais indicada para isso...(risos). Me sinto muito estabanada quando tenho que falar. Na verdade, trabalho nisso até mesmo quando estou desenhando. Conforme vou desenhando, vou simplificando os meus desenhos. Quando começo a desenhar, a minha mente está sempre muito confusa e, por esse motivo, tento focar em um único sentimento, naquele sentimento que, naquele momento, é o mais importante e aí encontro a melhor maneira de expressá-lo.

TELL ME ABOUT MOTHERHOOD, ESPECIALLY SINCE BECOMING A MOM SO YOUNG (AT 23), WAS IT ALWAYS SOMETHING YOU WANTED?

I was aware of the “risk” I was taking, not using protection. When it happened, my boyfriend and I were in a period where we wanted a big change. We were actually planning on moving to New York and we were setting everything up for that. One day, as I was leaving to go on a ski holiday with my dad’s family, I noticed my period didn’t come. My boyfriend told me to take a test just to take it out of my mind. We then literally stood looking at each other in the eyes for four hours, until I needed to leave to catch my plane. There, we had the big change we wanted so badly! We decided to cancel our move to NY and face this new adventure. I was really scary though, to go on holidays with that news: I didn’t know if I could eat fish, if I could ski, nor anything else!

CONTE-ME UM POUCO SOBRE A MATERNIDADE, ESPECIALMENTE PORQUE VOCÊ SE TORNOU MÃE TÃO JOVEM, AOS 23. SER MÃE É ALGO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS?

Eu sempre quis ser uma mãe jovem, mas, para ser sincera, não imaginei que seria mãe tão cedo. Mas fiquei feliz quando recebi a notícia. Quer dizer, eu sabia do “risco” que eu estava assumindo por não usar um método anticoncepcional. Quando aconteceu, o meu namorado e eu estávamos vivendo um momento em que desejávamos passar por uma grande mudança. Estávamos planejando nos mudar para Nova Iorque e nos organizando para que isso acontecesse. Um dia, quando estávamos indo esquiar na neve durante uma viagem de férias com a família do meu pai, percebi que a minha menstruação não tinha vindo. Meu namorado disse que eu deveria fazer um teste e ficamos nos olhando, olho no olho mesmo, durante literalmente quatro horas, até a hora de ir pegar o avião. E foi assim que a grande mudança que tanto queríamos aconteceu. Decidimos cancelar a nossa mudança para Nova Iorque e encarar essa grande aventura. Eu estava com muito medo de sair de férias depois de receber a notícia de que estava grávida porque não sabia se podia comer peixe, esquiar ou fazer qualquer outra coisa!

DID YOU TELL ANYONE DURING THESE HOLIDAYS ?

Only my dad. He is a very square person like I said. He told me : “okay, this is what you are going to do with your studies…; this is what you are going to do with your boyfriend;…”. He was basically taking care of all the things I needed to think of for my new life.

VOCÊ CONTOU A NOTÍCIA PARA ALGUÉM DURANTE AS FÉRIAS?

Só contei para o meu pai. Como já te contei, ele é uma pessoa bem quadrada. E ele me disse:“tudo bem, então você vai fazer o seguinte em relação aos teus estudos, o seguinte em relação ao teu namorado…”. Ele basicamente se encarregou de todos os assuntos da minha nova vida.

WAS IT HARD TO TELL HIM?

Oh yes. It’s funny because when we were at the airport, I didn’t know if I could go through the X-rays door. So I discreetly told the security agent that I was pregnant and that no one from the people I was with, knew. We decided to let everyone else pass in front of me so that I could go through a different (secure) door without anyone noticing. But then when it became my turn to go, the guy screams to his colleague standing on the other side : “there is a pregnant lady here”. I was so scared they’d heard but they didn’t. When we arrived at the lobby of the hotel I couldn’t hold it any longer and told him. I felt relieved. When I told my mum I had something to tell her she knew right away, and started crying and laughing at the same time. Since I got pregnant, everything got really intense.

FOI DIFÍCIL CONTAR PARA ELE?

Nossa, foi sim. Foi engraçado porque, no aeroporto, eu não sabia se podia ou não passar pelo Raio X. Foi então que, discretamente, contei para um agente de segurança do aeroporto que estava grávida, mas que ninguém com quem eu estava viajando sabia disso. Decidimos deixar que todos passassem primeiro para que eu pudesse passar por outra porta, segura, sem que ninguém percebesse. Mas aí, quando era a minha vez de passar, esse agente gritou para um outro agente que estava do lado de lá da porta: “tem uma mulher grávida que vai passar por aqui”. Fiquei com medo de que a minha família tivesse ouvido, mas eles não ouviram. Quando chegamos no lobby do hotel, não consegui me segurar e contei para o meu pai. Me senti aliviada. Quando disse para a minha mãe que tiha uma coisa para contar para ela, ela soube na hora e começou a rir e a chorar ao mesmo tempo. Tudo ficou muito intenso a partir do momento em que engravidei.

IT IS FUNNY BECAUSE THE 1ST ILLUSTRATION YOU POSTED REPRESENTED A WOMAN HOLDING A BABY (WAY BEFORE YOU EVEN FELT PREGNANT) … PREMONITORY OR JUST A METAPHOR FOR THE NEW PROJECT?

I always had this maternal instinct, it is something I always thought a lot about. When I had my baby, I just realized how finally all these drawings I had made before, made sense. Having a baby is really different than I thought it would be, in a better way. A wonderful way. But this doesn’t take the “OMG” moments away. Like even after one year, sometimes I look at my child and I scream “OMG I made this!”(laughs).

É ENGRAÇADO PORQUE A PRIMEIRA ILUSTRAÇÃO QUE VOCÊ POSTOU MOSTRA UMA MULHER SEGURANDO UM BÊBÊ E ISSO BEM ANTES DE VOCÊ ACHAR QUE ESTAVA GRÁVIDA…FOI UMA PREMONIÇÃO OU SOMENTE A METÁFORA DE UM NOVO PROJETO?

Sempre tive instinto materno, a maternidade é algo sobre a qual sempre pensei muito. Quanto tive o meu filho, entendi como todos esses desenhos que eu havia feito até então finalmente faziam sentido. Ter um filho é muito diferente do que eu imaginava, digo isso no bom sentido. É algo maravilhoso, mas isso não quer dizer que os momentos de Ô Meus Deus” não existam. Mesmo depois de um ano, às vezes, olho para o meu filho e grito “Ô meu Deus, eu fiz isso! (risos).

I FEEL YOUR WORK PROCESS IS AN INTROSPECTION THAT NEEDS SILENCE AROUND IN ORDER TO BE BORN. IS THAT SOMETHING YOU NEED IN ORDER TO BALANCE YOU HECTIC DAYS WITH BABY GAEL?

It is something that I need very much indeed. It brings me serenity. You know, I am this crazy type of person that needs to catalogue everything to feel good. I make lists for everything and I even make menus weeks in advance for what to eat in a bid to give a sense of direction to my “messy” life. This cataloguing OCD helps me to organise my life, and drawing helps me organize the mess inside of me.

SINTO QUE O TEU PROCESSO DE TRABALHO É INTROSPECTIVO E, POR ISSO, PARA QUE ELE ACONTEÇA, É NECESSÁRIO SILÊNCIO. ISSO É ALGO QUE VOCÊ PRECISA PARA QUE CONSIGA ENCONTRAR UM EQUILÍBRIO ENTRE OS DIAS MAIS AGITADOS E O GAEL?

O silêncio é algo de que eu realmente preciso porque ele me traz serenidade. Sou aquele tipo de pessoa meio louca que, para se sentir bem, precisa catalogar tudo. Sou daquelas que faz lista de tudo, inclusive do cardápio semanal, com antecedência, para que eu tenha, pelo menos, algum senso de direção nessa minha vida um tanto “atrapalhada”. Esse TOC de ficar catalogando tudo me ajuda a organizar a minha vida, assim como desenhar me ajuda a organizar a bagunça que carrego dentro de mim.

A WOMAN YOU ADMIRE?

Thousands! (Laughs). I think the first woman for whom I said “wow, what is this?” was Janis Joplin. And then Patti Smith, PJ Harvey…

NOME DE UMA MULHER QUE VOCÊ ADMIRA?

São milhares! (risos). Acho que a primeira mulher sobre a qual pensei “nossa, que mulher é essa?” foi a Janis Joplin, seguida pela Patti Smith, a PJ Harvey…

SO WOMEN WITH LITERALLY STRONG VOICES!

Yes I like those voices. I also love Brazilian women like Maria Bethânia, Rita Lee and Marina Lima. She was very famous in the 80s and the 90s. I consider her as my music god mother because she was the first famous person talking about me in the media. I just participated to her new album, writing lyrics with her. She is my friend, my mentor and she also did a featuring on my solo album!

TODAS SÃO CANTORAS COM VOZES PODEROSAS!

Sim, gosto das vozes delas. Adoro também as vozes da Maria Bethânia, Rita Lee e Marina Lima. Ela fez muito sucesso nas décadas de 80 e 90. Eu a considero a minha madrinha profissional porque ela foi a primeira pessoa famosa a falar a meu respeito na mídia. Acabei de fazer uma participação no novo álbum dela, escrevemos as letras juntas. Ela é minha amiga, mentora e fez também uma participação no meu álbum solo!

BE HONEST: WHAT IS MOST CHALLENGING? BEING A MOM OR BEING AN ARTIST?

I think… being a young mom/artist (laughs).

SEJA HONESTA: QUAL DESAFIO É MAIOR? SER MÃE OU SER ARTISTA?

Acho que é...ser uma jovem mãe/artista (risos).

WHAT WOULD YOU DREAM ON DOING NEXT WITH ALGA?

I have two main focuses which are ceramic and illustration, and now I want to put them together: painting ceramics and porcelain. You know when I gave birth I didn’t have a nanny because I really wanted to stay with my baby, like I didn’t want anybody to touch him. After maybe three months, I started to feel the need to have a moment for myself. At home, I couldn’t have these moments since the baby was always there. That is when I started to look for places to do ceramic and suddenly I had two full hours on my own, where Gabriel (editor’s note: Jade’s boyfriend) was taking care of baby Gael. Just a moment for me. This was really important for me at the time because I was only responsible for myself during this 2-hour break, acting like some kind of therapy to just “be there”, in the moment. Not thinking about anything else. Whenever I got back home after these sessions, I would always feel so energized and happy. My relationship to Gabriel and Gael always felt better after these moments too. There is something about the hands, I don’t know… Making something out of your own bare hands is very empowering. I wish to develop that more with Alga.

QUAIS SÃO OS TEUS SONHOS EM RELAÇÃO À ALGA?

Tenho dois focos principais, que são a cerâmica e a ilustração e agora quero combinar as duas: pintar cerâmica e porcelana. Quando tive o Gael, eu não tinha bábá porque eu realmente queria cuidar dele, não queria que ninguém o tocasse. Três meses depois, comecei a sentir a necessidade de ter um tempo para mim e não podia ser em casa porque o Gabriel não saía de casa. Foi quando comecei a procurar lugares aonde pudesse fazer cerâmica e, de repente, me vi com duas horas inteiras só para mim porque o Gabriel, o meu namorado, ficava cuidando do Gael. Era um tempo só meu e, na época, foi muito importante para mim porque, durante aquelas duas horas, eu só era responsável por mim mesma, era como uma terapia que me permitia “estar presente no momento”, sem ter que pensar em nada. Quando chegava em casa depois dessas sessões, sempre me sentia energizada e feliz. Depois de passar essas duas horas sozinha, a minha relação tanto com o Gabriel como com o Gael sempre era mais gostosa. Sei lá, tem alguma coisa a ver com as mãos....produzir alguma coisa só com as tuas próprias mãos traz uma sensação de empoderamento. Gostaria de ter essa sensação em relação à Alga.

I SEE A LOT OF FEMININE REPRESENTATION IN YOUR WORK BUT WHAT DOES IT CONTRIBUTE IN DOING FOR WOMEN?

I think my way of contributing, politically, is through what I do. I believe in sorority, I believe in feminism, I believe in gender equality and I try to put these things in my art. I really do it on purpose. In every piece of art that I make, I am willing to pass a message.

VEJO NO TEU TRABALHO QUE VOCÊ REPRESENTA BASTANTE O FEMININO, MAS COMO ELE CONTRIBUI PARA AS MULHERES?

Acho que a minha maneira de contribuir politicamente acontece através do que faço. Acredito em irmandade, acredito no feminismo, acredito em igualdade de gênero e tento colocar isso na minha arte. Faço isso de propósito. Quero que todas as peças de arte feitas por mim transmitam essa mensagem.

WHAT KIND OF FEEDBACK DO YOU GET? DO YOU FEEL PEOPLE READ THESE POLITICAL MESSAGES?

I think just knowing that other women are touched by my work already establishes a chain between us. In my opinion, this is the first step of sorority and I think it is beautiful. To connect with girls that I don’t even know, shows me that they “read” me.

QUAL TIPO DE FEEDBACK VOCÊ RECEBE? ACHA QUE AS PESSOAS LÊEM ESSAS MENSAGENS POLÍTICAS?

Acho que só de saber que toco outras já mulheres com o meu trabalho, isso já cria uma corrente entre nós. Na minha opinião, esse é o primeiro passo rumo a uma irmandade e acho isso lindo. Poder conectar-me com jovens que nem conheço me faz crer que elas me “lêem”.

I SEE A LOT OF FEMININE REPRESENTATION IN YOUR WORK BUT WHAT DOES IT CONTRIBUTE IN DOING FOR WOMEN?

I think my way of contributing, politically, is through what I do. I believe in sorority, I believe in feminism, I believe in gender equality and I try to put these things in my art. I really do it on purpose. In every piece of art that I make, I am willing to pass a message.

VEJO NO TEU TRABALHO QUE VOCÊ REPRESENTA BASTANTE O FEMININO, MAS COMO ELE CONTRIBUI PARA AS MULHERES?

Acho que a minha maneira de contribuir politicamente acontece através do que faço. Acredito em irmandade, acredito no feminismo, acredito em igualdade de gênero e tento colocar isso na minha arte. Faço isso de propósito. Quero que todas as peças de arte feitas por mim transmitam essa mensagem.

WHAT KIND OF FEEDBACK DO YOU GET? DO YOU FEEL PEOPLE READ THESE POLITICAL MESSAGES?

I think just knowing that other women are touched by my work already establishes a chain between us. In my opinion, this is the first step of sorority and I think it is beautiful. To connect with girls that I don’t even know, shows me that they “read” me.

QUAL TIPO DE FEEDBACK VOCÊ RECEBE? ACHA QUE AS PESSOAS LÊEM ESSAS MENSAGENS POLÍTICAS?

Acho que só de saber que toco outras já mulheres com o meu trabalho, isso já cria uma corrente entre nós. Na minha opinião, esse é o primeiro passo rumo a uma irmandade e acho isso lindo. Poder conectar-me com jovens que nem conheço me faz crer que elas me “lêem”.

REGARDING THE IMPORTANCE OF TEACHING YOUR CHILD FEMINISM, WERE YOU SCARED KNOWING YOU WERE GOING TO HAVE A SON INSTEAD OF A DAUGHTER ?

I don’t know why but I always knew I would get a son. I know I have this really heavy responsibility not to turn my son into a bad guy but I think I am raising him with a lot of truth. Right now he is a sponge: if I tap on the table, he will tap on the table. I am aware of this power I have on him and therefore I try to be an example. I hope that just being myself is going to be enough to inspire him and understand what we (his father and I) believe in. Of course sometimes I freak out like “what if he doesn’t get it?” (laughs). But it is not possible since I am here, attentive and focused on that. I always will be. You know, raising a child is about dealing with common sense: he is eventually going to come to me with all these questions and I’ll have to answer with what I feel will be the most appropriate response.

SABENDO QUE VOCÊ TERIA UM FILHO E NÃO UMA FILHA, VOCÊ FICOU COM MEDO? PERGUNTO ISSO EM RELAÇÃO A ENSINAR FEMINISMO PARA O TEU FILHO.

Não sei porquê, mas sempre soube que teria um filho e não uma filha. Sei que tenho essa enorme responsabilidade no sentido de não transformar o meu filho em um cara sacana, mas ele está sendo criado de um jeito em que sempre falamos a verdade. Agora ele é como uma esponja: se fico batendo na mesa, ele bate também. Tenho consciência deste poder que tenho sobre ele e, por isso, tento dar o exemplo. Espero que o fato de eu ser eu mesma baste para que eu seja uma inspiração para ele e que ele entenda os valores nos quais os pais dele (eu e o pai) acreditam. É claro que, às vezes, eu morro de medo e penso “e se ele não entender?” (risos). Mas isso não acontecerá porque estou aqui, prestando atenção e muito focada. E continuarei assim. Criar um filho é uma questão de bom senso: chegará uma hora em que ele virá me procurar para fazer várias perguntas e as minhas respostas serão as que acho mais adequadas.

HOW ABOUT YOU? WHO DO YOU GO TO FOR ADVICE?

My boyfriend Gabriel! I cannot imagine my life without us being part of each other. When Gael goes to sleep at night, we have dinner together and talk a lot. He is a part of me, but a part that thinks very differently from me. It is like having this other me that I can consult when I am too confused.

E VOCÊ? PARA QUEM VOCÊ PEDE CONSELHOS?

Para o meu namorado, o Gabriel! Não consigo imaginar a minha vida sem que sejamos um parte do outro. Quando o Gael vai dormir, jantamos juntos e conversamos muito. Ele é uma parte de mim, mas uma parte que pensa de uma forma muito diferente de mim. É como ter uma “outra eu” a quem posso consultar quando estou confusa.

YOU ARE GOING TO MAKE ME CRY!

(laughs).

ASSIM VOCÊ VAI ME FAZER CHORAR!

(risos).

WHAT IS THE COOLEST THING YOU TAUGHT YOUR SON RECENTLY?

Clapping his hands!

O QUE DE MAIS BACANA VOCÊ ENSINOU PARA O TEU FILHO RECENTEMENTE?

A bater palmas!

WHAT IS A TYPICAL DAY IN YOUR LIFE?

Motherhood changed me a lot! I used to be very productive at night and now I am a morning person. I wake up around 7 am with Gael, I make us some breakfast and stay with him until 9am when his nanny arrives. That is the moment when I sit and think about what I want to draw about. My creative process is always different: sometimes it comes from an image reference, sometimes I have a movement in my mind that I want to try to recreate. I spend my day working and producing my art from home. Gabriel always comes home to have lunch with us. When the nanny leaves at 5pm, I have my moment with Gael which is my most precious time of the day. From 5 to 8pm, I dedicate my time to him and it’s not like he allows me to do anything else! He needs my full attention. But everything keeps evolving and changing so rapidly. My dream would be to have an atelier one day.

COMO É UM DIA TÍPICO NA TUA VIDA?

A maternidade me mudou profundamente! Eu costumava ser muito produtiva à noite e agora me tornei mais matutina. Acordo por volta das 7hrs com o Gael, preparo o nosso café da manhã e fico com ele até umas 9hrs, quando chega a bábá. Essa é a hora em que me sento e penso no que quero desenhar. O meu processo criativo varia muito: às vezes vem de uma imagem que uso como referência, outras vezes de um movimento da minha mente que tento recriar. Passo o dia em casa trabalhando e produzindo arte. O Gabriel sempre vem almoçar conosco. Às 17hrs, quando a bábá vai embora, começa o meu momento com o Gael, o tempo mais precisoso do dia para mim. Das 17hrs às 20hrs, dedico o meu tempo a ele e ele não me deixa fazer qualquer outra coisa! Ele precisa da minha total atenção. Mas tudo evolui e muda com tanta rapidez. O meu sonho seria um dia ter o meu ateliê.

WHAT IS YOUR PROCESS WHEN YOU HAVE COMMISSIONED WORK?

It is actually still really weird for me when someone asks for something very specific. Like I told you, my work comes from a very deep introspection, so when someone asks for something I don’t immediately identify with or that I have not experienced personally, it is difficult for me. But then I internalize what the person wants and try to recreate my very own way of relating to it. It is funny because until today, I still have a special attachment to my original drawings. When I sell one, I always make another copy (by hand) and I keep the original.

QUAL É O SEU PROCESSO QUANDO ESTÁ TRABALHANDO EM UMA ENCOMENDA?

Na verdade, ainda acho muito estranho quando alguém me pede para fazer algo muito específico. Como te disse, o meu trabalho vem de uma profunda introspecção, então, quando alguém me pede para fazer algo com o qual eu imediatamente não me identifico ou quando ainda não passei por aquela determinada experiência, é difícil para mim. Mas aí internalizo o que a pessoa quer e tento criar a minha própria maneira de me relacionar com ela. É engraçado porque, até hoje, ainda tenho um apego especial aos meus primeiros desenhos. Quando vendo um, sempre faço uma cópia à mão e fico com o original.

WHAT IS THE BIGGEST CHALLENGE BEING AN ARTIST?

There are two big challenges for me: one of them is getting naked and honouring the expectative of the people you share your art with. The second thing is that it can be really hard to sell yourself. At least, this is hard for me. Gabriel always says that artists nowadays produce 2 days a week and the other days are used to sell their work.

QUAL É O MAIOR DESAFIO DE UM ARTISTA?

Para mim, existem dois grandes desafios: um deles é ficar nua e honrar a expectativa das pessoas com as quais eu divido a minha arte. O segundo desafio é que não é fácil conseguir se vender. Pelo menos para mim, isso é algo difícil. O Gabriel sempre diz que atualmente os artistas sempre produzem dois dias por semana e usam o resto da semana para vender sua arte.

HOW DID YOU SELL YOUR FIRST PIECE?

Someone ordered one from the ones I posted on Instagram! I just had to post it in the mail. It was hard to give it away though. But it made me very happy.

COMO ACONTECEU A TUA PRIMEIRA VENDA?

Alguém encomendou uma ilustração que eu havia postado no Instagram! Só precisei colocá-la no correio. Embora tenha sido difícil me desfazer dela, fiquei muito feliz.

DO YOU THINK A GIRL CAN BE WHATEVER SHE WANTS?

I think so, but it is not an easy journey, most of the time.

VOCÊ ACHA QUE UMA GAROTA PODE SER O QUE ELA QUISER?

Acho que sim, embora, na maioria das vezes, não seja uma jornada fácil.

WHAT IS THE ESSENTIAL THING SHE NEEDS TO GET THERE?

Definitively other women! Strong women. And patience. You also need to be true to yourself and true to the others to touch them. Sometimes you need to touch people in order for them to help you in your path to getting where you want to go. It is super hard for me too, to connect with others since I am kind of shy.

VOCÊ ACHA QUE UMA GAROTA PODE SER O QUE ELA QUISER?

Acho que sim, embora, na maioria das vezes, não seja uma jornada fácil.

DO YOU THINK A GIRL CAN BE WHATEVER SHE WANTS?

I think so, but it is not an easy journey, most of the time.

VOCÊ ACHA QUE UMA GAROTA PODE SER O QUE ELA QUISER?

Acho que sim, embora, na maioria das vezes, não seja uma jornada fácil.

DO YOU THINK A GIRL CAN BE WHATEVER SHE WANTS?

I think so, but it is not an easy journey, most of the time.

O QUE ELA MAIS PRECISA PARA CHEGAR LÁ?

Outras mulheres, com certeza! Precisa de mulheres fortes. E paciência. Para tocar os outros, é preciso conseguir ser verdadeira consigo mesma e com os outros. Às vezes é preciso tocar as pessoas para que elas te ajudem nessa jornada que vai te levar para onde você quer ir. Para mim também é super difícil me conectar com outras pessoas porque sou meio tímida.

WHAT IS THE SONG THAT WILL ALWAYS MAKE YOU WANT TO DANCE?

There is this song that doesn’t necessarily make me want to dance but for sure touches me as it is the one I sing every single night to put my son to sleep. It’s called "Lá de longe" from Tribalistas. It brings back so many memories from my late childhood, when I was 8 or 9 years and this album was a hit here in Brazil. Also, there is something about the lyrics that touches me a lot (and Gael too since he ends up falling asleep, every time) and reminds me that those are unique moments that won’t come back. So sometimes when it’s really hard and he's fighting to go to sleep, this song works as a kind of mantra that keeps me sane and conscious that that moment will pass and that someday I will miss it.

QUAL É A MÚSICA QUE SEMPRE TE FAZ TER VONTADE DE DANÇAR?

Tem uma música que não necessariamente me faz ter vontade de dançar, mas com certeza me toca porque é a música que canto todas as noites quando coloco o meu filho para dormir. Chama-se "Lá de longe", dos Tribalistas. Essa música me traz tantas lembranças de quando eu tinha 8 ou 9 anos, que foi quando os Tribalistas lançaram esse álbum que fez muito sucesso. Além disso, tem algo na letra dessa música que me toca profundamente (e ao Gael também porque ele sempre acaba adormecendo) e me faz lembrar que esses são momentos únicos que não voltarão mais. Então, quando ele não quer adormecer e a situação se complica, essa música funciona como um tipo de mantra que me mantém sana e consciente do fato de que estes momentos também passarão e de que um dia sentirei falta deles.

THANK YOU JADE.

OBRIGADA JADE.

BRAND & CLIENTS